quinta-feira, 1 de maio de 2014

# Confusão


"A minha maior tristeza é quando as pessoas confundem tudo. Confundem devoção com obrigação. Confundem karma com pecado. Confundem medo com austeridade. Quero dizer que nunca exigi o que quer que fosse de ninguém. E quem disser o contrário, mente.
Quem disser que fui eu que defini obrigações, quem disser que fui eu que incentivei a proibição dos pecados, não está a ser correcto com a ordem dos acontecimentos. Eu só falei acerca de conceitos. Falei de liberdade, falei da ignorância, falei de transcendência. Falei das hostes, da morte e da falência dos estados. Falei da pungência e da eloquência. Falei da morte do ego e da vida da alma. Falei da distância, do compromisso e da abundância.
Nunca disse o que quer que fosse acerca de obrigações, proibições, vergonha, inferno ou castigo. Nunca disse nada que tolhesse a alma humana. Só fiz realçá-la, exuberá-la e enaltecê-la. Quando põem na minha boca afirmações que diminuem o ser humano, sinto-me triste, fútil e subjugado. Dou por mim quase a pensar que não valeu a pena. Quando se servem de mim para maltratar, castigar, entristecer, quando utilizam o meu nome para escamotear desejos próprios e vãos, sinto vontade de gritar que não é assim.
Por isso é que eu peço: Pensem pelas vossas próprias cabeças. Tirem as vossas próprias ilações. Se o que vos disserem que eu disse não tiver a frequência da liberdade, da luz e da clarividência, se o que disserem de mim não tiver a frequência da vida, do amor e da alma, por favor, não ouçam. Não deixem que o medo vença. Não deixem que a densidade se instale.
Nessa altura, venham até cá acima, vão até ao vosso coração, não há nada neste mundo que vos possa fazer acreditar na densidade. Não há nada neste mundo que possa tolher a capacidade de as pessoas serem felizes."


# Retirado do Projecto Alexandra Solnado - Mensagens de Luz




Sem comentários:

Enviar um comentário